No Bairro do Aleixo

sexta-feira, maio 06, 2005

Flores.

No Bairro do Aleixo há uma flor oficial e muitas flores bonitas.
Lembro-me das estrelícias que percorrem as ruas nas mãos de um homem, ainda sem nome. Um homem que caminha sereno pelo Bairro segurando na mão esquerda um ramo de flores. Sempre iguais, sempre vivas. Não as tenta vender e não gosta de as oferecer.
É magro, alto, traz sempre vestido um casaco castanho de malha, umas calças cinzentas desbotadas e uns sapatos velhos, muito gastos.
Aparece quase todos os dias com o ramo de flores. Sempre frescas, sempre vivas. Só sorri quando sente o cheiro a ‘canela, limão e malmequer’, diz às vezes quando lhe perguntam ‘a que cheiram as tuas flores?’. Noutras ocasiões responde ‘a rosas’, e continua a caminhar com o passo sempre sereno.
Estrelícia é uma palavra difícil de pronunciar, talvez por isso não lhe façam mais perguntas. Ninguém sabe onde vai ele buscar as flores.
No domingo passado foi passear junto ao rio. Caminhou até às palmeiras, regressou e continuou ao longo do rio até à alfândega. Deixou um ramo inteiro de estrelícias, quase oito, a boiar no rio, junto ao ancoradouro da flor do gás. Depois esteve alguns dias sem aparecer.
Uma senhora da mercearia sentiu a sua ausência. Outras pessoas comentaram ‘era da família’ ou diziam que ‘às vezes era visto com o Paulo’.
Hoje regressou com os passos sempre serenos. Sorriu muito e repetiu que ‘por causa do calor cheiram mais hoje’. E cheiravam. Várias pessoas sentiram.
No café disse que cheiravam a água, ‘a água com sal, mas sem ser do mar: estão bonitas, mas hoje não são muito frescas!’ Estavam em casa dele há um dia.

4 Comments:

  • Será ke percebi a analogia, ou estou a ir mais longe que os seus propositos?
    Havera muitas estrelicias aì? Ou apenas Botões de rosa, pequenos mas já florescidos...
    Fantatisco com sempre

    By Anonymous Anónimo, at 1:48 da tarde  

  • Não sei o que percebeu ou em que pensou, mas garanto-lhe que há estrelícias cá no Bairro.
    Até breve.
    hs

    By Anonymous Anónimo, at 3:06 da tarde  

  • Belo Blog!!
    Hélder,

    Entusiasmado com o cenário que acabo de picar, confesso-me um apaixonado pelo Aleixo. Pela espuma plena de manifestações de vida, ora florida, ora pútrida pela inconstância humana.

    Vivo, aliás, à entrada do bairro, na rua que lhe roubou o nome.E conheço o porteiro.

    De quando em vez soltarei aqui umas palavras.
    Até lá, aceite um abraço,

    Nuno

    By Blogger Nuno Amaral, at 4:40 da tarde  

  • Nuno,

    Obrigado pela visita e volte empre que puder e quiser. É sempre bom manter boas relações com a vizinhança, mesmo que para isso seja necessário o espaço virtual.
    Até já.

    By Blogger Hélder Sousa, at 4:49 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home